Como vencer a ansiedade e o stress dos exames?

2 1 300x239

 

 

 

 

 

 

 

A ansiedade, tem que ver com a maneira em que cada aluno avalia ou interpreta a situação a que se vê submetido. Em geral, explica Florença Poy, "a ansiedade não vem provocada por um exame em si, mas pelas conseqüências que cada aluno deriva de fazer isso".

Como exemplo, podemos pensar em um aluno que precisa de obter uma placa ou um afastamento para continuar mantendo sua bolsa de estudos. Nesta situação, o pensar que não levará essa nota, perde sua bolsa de estudos e não pode continuar com seus estudos, é o que fará com que seu nível de estresse tem um efeito amplificador ou multiplicador, e que acabou transformando-se em ansiedade.

Os sintomas

É importante detectar essa ansiedade e estresse para poder, depois, combatê-los.

"Os sintomas de ansiedade em época de exames vêm dados em três planos que se relacionam e retroalimentam mutuamente", explica a coordenadora do GOE:

Em primeiro lugar encontramos o nível mental ou cognitivo. Os sintomas mais comuns são: preocupação extrema, insegurança, falta de confiança, desconcentração, dificuldade para tomar decisões, apreensão, sentimento de inferioridade, sentimento de perda de controle, com dificuldades na hora de ler e compreender, dificuldades para se lembrar de palavras ou conceitos, bloqueio mental ("ficar em branco").

Em segundo lugar, encontramos o nível fisiológico. Os sintomas mais comuns são: respiração agitada ou falta de ar, sudorese, boca seca, aperto no peito, náuseas, dor de estômago.

E por último, a nível comportamental, os sintomas mais comuns são: falta de apetite ou comer em excesso, gagueira, falar rápido, risada nervosa, manipular continuamente objetos, reações impulsivas (como sair de um exame), responder sem pensar.

Como controlar a ansiedade?

O estresse não é outra coisa que a energia que nos ajuda a entrar em funcionamento. Portanto, podemos afirmar que "o estresse (no seu justo ponto) é uma reação normal e positivo, já que esta atua como um protetor nos preparando para a ação; sem essa dose de energia vital não afrontaríamos os desafios que nos coloca a vida", assegura Florença.

Por isso, o estresse controlado e adequado contribui positivamente para a concentração, para a potência física. De fato, os atletas quando eles vão competir tendem a obter melhores resultados se o seu nível de ansiedade é mais elevado do que o habitual.

No campo da psicologia existe uma evidência muito estudada, que recebe o nome de lei de Yerkes e Dodson que descreve a relação que existe entre ansiedade e desempenho e estabelece que o melhor desempenho é obtido com níveis médios de ativação.

No entanto, nem sempre é assim. Em algumas ocasiões, a ansiedade deixa de ser adaptativa e acaba provocando muitas desconforto, inquietação e sofrimento. "Neste caso, torna-se um inibidor do desempenho, atrapalhando a capacidade de atenção e concentração", diz a psicóloga.